A MENOR GRANDEZA (POESIA FOTOGRÁFICA I)

 

O retrato do que não se vê
É o que se vê por meio das lentes
Instantes eternos, eternas sementes
Grandezas pequenas, eternos presentes

Que o olho não vê
Mas a alma pressente
Como se admitisse
O óbvio ali ausente
Como se admirasse
O invisível presente

Pois a beleza se vê
Com o olho e a mente
Com mãos e coração
A foto é clarividente
E plena de intuição
Dá-nos o inexistente

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s